O Consórcio responsável pela obra do BRT TransBrasil demitiu cerca de 600 trabalhadores, por falta de repasse por parte da Prefeitura do Rio de Janeiro.
O último repasse feito pela prefeitura mal dá pra pagar os salários dos trabalhadores muito menos dar continuidade a obra daquela importância. Se a Prefeitura acerta todas os repasses, esses trabalhadores serão efetivados novamente em abril, caso a prefeitura deixe de cumprir esse compromisso essa obra de suma importância para a mobilidade urbana do rio de janeiro corre o risco de ficar totalmente paralisada a partir de abril.

Segundo os responsável pela a obra, foram tomadas todas as medidas necessárias para que o Consórcio não paralise as obras, evitando desta forma essas demissões e quaisquer atrasos do projeto.
Entretanto, para que o Consórcio prossiga com suas atividades normais e consequentemente volta a admitir esses trabalhadores, é necessário que a Prefeitura do Rio de Janeiro cumpra as com as sanções prevista em contrato.

O Presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesado (SITRAICP), Nilson Duarte Costa, cobra ações que evitem o desemprego em massa dos trabalhadores, e irá lutar
para buscar medidas que destrave o repasse dos recursos necessários para o Consórcio BRT TransBrasil que além de gerar empregos, possui grande importância para a mobilidade urbana do Rio de janeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *